Ciência

Cesar Victora: o epidemiologista que reduziu a mortalidade infantil em todo o planeta.

Um dos maiores especialistas em nutrição e saúde materno-infantil no mundo, o epidemiologista gaúcho Cesar Victora produziu ao longo de quatro décadas a mais extensa documentação acerca da importância do aleitamento materno para a redução de mortalidade infantil e seus benefícios para a saúde da mulher.

Suas pesquisas comprovaram que o aleitamento exclusivo, sem água ou chás, reduz em 14 vezes o risco de morte infantil por diarreia e em 3,6 vezes por doenças respiratórias. O impacto da pesquisa foi tamanho que deu origem a uma política de governo pró-aleitamento no Brasil e em grande parte dos países nos cinco continentes, além de definir as políticas globais da Organização Mundial de Saúde e do Unicef.

Cesar Victora é Professor Emérito da Universidade Federal de Pelotas, membro da Academia Brasileira de Ciências e ocupou posições honorárias nas universidades de Harvard, Oxford, Johns Hopkins e na Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres. Em 2017, foi o primeiro cientista brasileiro a receber o Prêmio Gairdner de Saúde Global, a mais importante premiação científica do Canadá e uma das mais respeitadas na área de ciências da saúde em nível mundial.

Tecnologia

Fernando Galembeck: o químico que descobriu como captar energia do ar.

Em 2010, o químico paulista Fernando Galembeck apresentou aos membros da American Society of Chemistry, em Boston, um dispositivo capaz de gerar eletricidade a partir da umidade presente na atmosfera. Com isso, comprovou que a deposição de umidade nas superfícies de muitos materiais os eletriza. Pouco depois, mostrou que gotículas de água na atmosfera têm carga elétrica, ao contrário do que se imaginou por séculos. E abriu caminho para, num futuro próximo, transformar a umidade do ar em uma nova fonte de energia alternativa, sustentável e de baixo custo: a higroeletricidade, que é hoje um tema de investigação em vários laboratórios, especialmente na China. Recentemente, a Nature Scientific Reports publicou um artigo de importante grupo da Universidade de Tel Aviv, confirmando o potencial da higroeletricidade para a geração de energia elétrica.

Muito antes dessa descoberta, Galembeck já havia conquistado notoriedade internacional por seus estudos sobre nanopartículas e sua aplicação na tecnologia industrial. Publicou 280 trabalhos e depositou 36 patentes, sendo várias delas estendidas para mais de 20 países. Oito produtos baseados nessas patentes foram introduzidos no mercado..

Fernando Galembeck é doutor em Físico-Química pela USP, professor aposentado colaborador da UNICAMP, membro titular da Academia Brasileira de Ciências e fellow da TWAS (The World Academy of Sciences) e da Royal Society of Chemistry. Foi agraciado com inúmeros prêmios e distinções, entre eles o Prêmio Álvaro Alberto de Ciência e Tecnologia (CNPq/Wessel), a maior honraria da ciência e tecnologia brasileiras.

Sobre o Prêmio

O Prêmio CBMM de Ciência e Tecnologia reconhece profissionais que, com seu legado, engrandecem a produção científica e tecnológica brasileira.

Categorias

Ciência

Para pesquisadores que colocaram o Brasil em destaque no cenário científico mundial.

Tecnologia

Para profissionais que tenham gerado impactos relevantes ao país no desenvolvimento de aplicações práticas.

Prêmio

R$ 500.000,00 para cada categoria

Prêmio CBMM em números

Veja alguns destaques da edição 2020 do Prêmio CBMM de Ciência e Tecnologia:

279

candidatos

174

a mais que em 2019

125

inscritos para a categoria Ciência

154

inscritos para a categoria Tecnologia

4X

mais inscrições femininas quem em 2019

57 anos

é a idade média dos inscritos

18 estados

representados

Avaliação

A apuração do vencedor de cada categoria foi realizada por uma comissão julgadora independente, composta por seis membros de notório saber nas áreas do Prêmio CBMM de Tecnologia e Ciência. Foram avaliados dois critérios:

  • Criatividade e originalidade.
  • Contribuição e impacto para ciência ou desenvolvimento e inovação.

Conheça a comissão julgadora

Ciência

Edgar Dutra Zanotto

Professor de Ciência e Engenharia de Materiais e diretor do Centro de Materiais Vítreos na UFSCar. Editor do Journal of Non-Crystalline Solids. Membro da Academia Brasileira de Ciências, da Academia de Ciências do Estado de São Paulo, da Academia Nacional de Engenharia, da Academia Mundial de Ciências e da Academia Mundial de Cerâmica. Fellow da Sociedade Glass Tech, no Reino Unido, e da Sociedade Americana de Cerâmica e Associação Brasileira de Cerâmica. Presidente do Conselho de Curadores do Parque Tecnológico de São Carlos. Membro do Conselho Administrativo do IMPA e do Instituto Serrapilheira.

Ciência

Luiz Davidovich

Graduado em Física pela PUC-Rio, é doutor em Física pela University of Rochester. Tem experiência nas áreas de Óptica Quântica e Informação Quântica. Atualmente, é professor titular da UFRJ e designado como Fellow da Optical Society of America e da American Physical Society. Além disso, é presidente da Academia Brasileira de Ciências e membro da Academia de Ciências do Mundo em Desenvolvimento (TWAS) e da National Academy of Sciences (USA).

Ciência

Mario Neto Borges

Engenheiro Eletricista pela PUC Minas, mestre em Acionamentos Elétricos, pela UFMG, e doutor em Inteligência Artificial Aplicada à Educação, pela Universidade de Huddersfield Inglaterra. Foi professor adjunto da PUC Minas, Professor Associado IV aposentado da UFSJ, onde foi chefe do Departamento de Engenharia Elétrica, Diretor do Centro de Ensino e Reitor. Foi presidente e diretor científico da FAPEMIG. Diretor acadêmico da ABENGE por dois mandatos e presidente do CONFA, também por dois mandatos. Foi o coordenador da Área Internacional do CONFAP e presidente do CNPq.

Tecnologia

Alvaro Prata

Professor titular do Departamento de Engenharia Mecânica da Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, pesquisador nível 1A do CNPq e membro da Academia Brasileira de Ciências. Foi reitor da UFSC de maio de 2008 a maio de 2012. De 2012 a 2018, integrou o Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, em que ocupou os cargos de secretário nacional de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação, secretário de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento e secretário Executivo.

Tecnologia

Hélio Graciosa

Engenheiro de Telecomunicações e MsC em Engenharia Elétrica pela PUC-Rio. Já foi diretor de P&D da Telebras, presidente do CPqD e da Sociedade Brasileira de Telecomunicações (SBrT). Atualmente, é membro do Conselho de Administração da Telebras, do Conselho Superior de Inovação e Competitividade da FIESP e do Conselho de Orientação do IPT, diretor da Divisão de Telecomunicações da FIESP e Coordenador de Pesquisa para Inovação da FAPESP.

Tecnologia

Jorge Almeida Guimarães

Diretor-presidente da Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial EMBRAPII, doutor em Biologia Molecular pela Escola Paulista de Medicina, Unifesp, com pós-doutorado no National Institute of Health (NIH) EUA. Atuou como professor em diversas universidades brasileiras: UFRRJ, UNIFESP, Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto, UNICAMP, UFF, UFRN, UFRJ, UFRGS. Atualmente, é pesquisador sênior do CNPq e Membro Titular da Academia Brasileira de Ciências.

Cronograma

1

Abertura para inscrições e indicações 15/1

2

Indicações e inscrições De 15/1 a 28/2

3

Upload dos currículos e textos descritivos De 15/1 a 30/3

4

Prazo de julgamento De 15/4 a 15/6

5

Comunicação aos vencedores 1º/7

6

Pagamento aos vencedores Até 15/7

7

Cerimônia de premiação A definir

Edição 2019

A edição 2019 premiou dois grandes nomes da ciência e da tecnologia no Brasil: Marcelo Viana e João Calixto. A cerimônia de entrega do prêmio foi realizada no Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro, e contou com a presença de importantes personalidades. Entre elas, Paul Romer, vencedor do Nobel de Economia em 2018.

Vencedores 2019

Ciência

Marcelo Viana

É pesquisador titular e diretor-geral do Instituto de Matemática Pura e Aplicada (IMPA). Especialista na área de Sistemas Dinâmicos, já orientou 39 doutores e 20 mestres. Foi presidente da Sociedade Brasileira de Matemática e vice-presidente da União Matemática Internacional. Recebeu diversas distinções, como o Grande Prêmio Científico Louis D., da França, e é membro das Academias de Ciências do Brasil, do Chile, de Portugal e do Mundo em Desenvolvimento (TWAS). Organizou o Congresso Internacional de Matemáticos ICM 2018 e escreve semanalmente na Folha de São Paulo.

Tecnologia

João Batista Calixto

Graduado em Ciências Biológicas pela UnB e doutor em Farmacologia pela USP. Professor titular de Farmacologia aposentado da UFSC, pesquisador nível 1A do CNPq, membro da Academia Brasileira de Ciências e diretor do Centro de Inovação e Ensaios Pré-Clínicos. Possui mais de 400 trabalhos publicados internacionalmente, com mais de 56.000 citações via Web of Science, Scopus e Google Scholar. Foi editor em revistas internacionais, orientou 38 dissertações de mestrado, 37 teses de doutorado e 36 estudantes de pós-doutorado. Proferiu mais de 350 palestras pelo mundo, possui 24 patentes no Brasil e no exterior, participou do desenvolvimento de 3 produtos que estão no mercado e de outros que estão em estudos clínicos.

Contato